17/10/2018

A importância de calibrar os pneus do seu caminhão


O pneu do caminhão já não é um mero acessório. É um item que tem avançado muito em tecnologias a favor do rendimento e segurança da sua viagem. O pneu precisa suportar toneladas e aguentar os obstáculos das estradas, que muitas vezes são de más condições. 

Além disso, é um dos principais influenciadores do consumo de combustível e, consequentemente, da emissão de poluentes. A calibragem é um dos controles mais importantes em um pneu, já que é a responsável pelo aproveitamento ótimo dos sistemas de suspensão, transmissão, tração, direção e frenagem, trazendo assim maior segurança ao motorista e aos passageiros. Portanto, é necessário ter atenção e cuidados na hora de calibrá-los corretamente.

O que levar em consideração para a calibragem: 

Porte e carga: Cada pneu é desenhado para adequar-se ao porte do caminhão e sua capacidade de carga. Por isso, na hora de calibrar é muito importante saber o peso que os pneus terão que suportar. No caso de viagens longas e com mais carga, a pressão deve ser aumentada de acordo com a recomendação do fabricante para que os pneus trabalhem mais frios e mantenham a dirigibilidade do veículo. O estepe também precisa ser examinado e calibrado com uma pressão maior de até 5 psi acima dos demais.

Checagem: Quanto mais distâncias recorridas, maior será a alteração irregular na pressão dos pneus. É importante calibrar os pneus do caminhão pelo menos uma vez por semana, para garantir a rodagem ideal em todas as viagens. O uso do martelinho é bem conhecido para conferir a calibragem na estrada, mas é preciso esperar que os pneus estejam frios para verificar sua pressão. 

Modelo e fabricante: Tudo começa com a escolha certa do pneu, levando em consideração toda a sua vida útil (reformas e recapagens). Cada marca e modelo de pneu possui recomendações de pressão diferentes segundo o caminhão onde está instalado. Estas informações são indicadas pelo manual do proprietário, mas em alguns casos também são encontradas no lado de dentro da tampa do bocal de combustível ou em outros pontos internos da carroceria. Se não for respeitado ou a calibragem não for feita, o pneu vai ficar deformado, esquentar muito e se desgastar mais rapidamente. 

Os danos causados por pneus mal calibrados: 

Com excesso de pressão, a área de contato com o solo diminui e reduz a aderência do pneu. Isto pode aumentar o risco de acidentes em casos de frenagem de emergência e ocasionar a perda da trajetória nas curvas, em alta velocidade. O pneu fica mais rígido, provocando uma redução do conforto ao dirigir, assim como um desgaste prematuro da suspensão do veículo.

Já com pouca pressão, o pneu tende a sobrecarregar as laterais da rodagem, afetando rapidamente sua estrutura. Isso pode ocasionar deformação e um aquecimento anormal, causando degradação térmica, o que gera o pó de borracha dentro do pneu, e pode até estourar em casos extremos. A baixa pressão também provoca instabilidade no controle do veículo – quando o volante puxa para um lado - o que pode ocasionar acidentes graves.

A calibragem incorreta também pode resultar em maior consumo de combustível, pois o pneu apresentará resistência com a pista, como se estivesse freando, o que exigirá mais da potência do veículo para rodar. 

Da mesma forma, o desalinhamento das rodas ou as vibrações provocadas pelo desbalanceamento provocam desgaste irregular e afetam o desempenho do caminhão. E a participação do motorista é fundamental, dirigindo de maneira prudente, evitando obstáculos e conferindo o estado dos pneus em cada parada. 

Cuidados básicos sobre a calibragem: 

-Nunca desinfle um pneu aquecido.

-Ter tampas nas válvulas de todos os pneus.

-Não esqueça de verificar a pressão do pneu estepe.

-Depois de rodar com uma pressão muito baixa, nunca calibrar o pneu novamente sem verificar se seu interior apresenta alguma anomalia.

Para controlar a revisão dos pneus, respeite o plano de manutenção do seu veículo e garanta que, na oficina, este serviço seja feito. Dúvidas? Entre em contato com a Carboni Iveco mais próxima. Nosso Pós-venda te ajudará no que for necessário!

15/10/2018

Carboni Iveco estará na Fetranslog 2018


Evento será de 17 a 19 de outubro em Chapecó

A Fetranslog – Feira do Transporte e Logística de Santa Catarina é um dos principais eventos do setor realizado no Oeste do estado. A edição deste ano será realizada de 17 a 19 de outubro em Chapecó, no Parque de Exposições EFAPI. A Carboni Iveco não poderia deixar de participar das exposições, já que a região é uma das mais importantes para o mercado de transportes no Brasil.

No stand da concessionária, estarão expostos os modelos extrapesados Iveco Stralis Hi Way 560 6x4, o Hi Way 440 6x2, além do versátil Tector AutoShift e do urbano Daily City Furgão. Uma exposição de seminovos Iveco completará os modelos de caminhões disponíveis para conferir durante o evento.

A Bridgestone também marcará presença com exposição de pneus, com destaque para a linha Firestone FS 440. Um motor FPT Industrial estará à disposição para que os visitantes conheçam de perto toda a potência dos caminhões Iveco. Para completar, os Seguros Carboni e o Consórcio Iveco apresentarão ofertas para os clientes que passarem pelo stand.

Na quinta-feira, dia 18 de outubro, a Carboni receberá em seu stand da Fetranslog aos diretores da Iveco e a jornalistas de mídias especializadas no setor.

A programação da Fetranslog 2018 contará com palestras de lideranças do setor regional e nacional, abordando diversos temas relevantes não só para os transportadores, mas para o público em geral. Consulte o site oficial do evento para conhecer toda a programação. Esperamos sua visita no stand da Carboni Iveco!

Linha de Crédito incentiva desenvolvimento da Agricultura

Desde julho estão disponíveis R$ 30 bilhões para investimento em máquinas
Uma boa notícia para os agricultores de todo o Brasil. Desde julho deste ano, o Governo Federal disponibilizou R$ 30 bilhões para incentivar o desenvolvimento do setor, em especial a agricultura familiar, através das linhas de financiamento do Pronaf e do Programa Mais Alimentos.

O programa conta com excelentes condições para a compra de equipamentos. A Iveco está participando com sua linha de leves Daily. Entre as vantagens, estão:

- 4,6% de juros ao ano;

- Daily City e 35S14 com até 1 ano de carência e até 5 anos para pagar;

- Prestações podem ser anuais, semestrais ou mensais, conforme o tipo de cultivo.

Esta é uma grande oportunidade para investir em seu negócio e apostar no desenvolvimento da agricultura! Para consultar os produtos e condições específicas, consulte o site do Programa Mais Alimentos . Aí está disponível o catálogo, a lista de revendedoras autorizadas, além de informações técnicas dos modelos oferecidos pela Iveco para esta linha de financiamento.

Este crédito poderá ser utilizado até o dia 30 de junho de 2019. Não perca tempo! Entre em contato com a Carboni Iveco mais próxima para agendar uma visita e informar-se sobre o procedimento para aproveitar o benefício.

A importância de capacitar motoristas

Uma transportadora precisa cuidar de muitos detalhes para manter a alta qualidade na prestação do seu serviço. Renovar a frota, fazer a manutenção dos caminhões, planejar as rotas, entre muitas outras coisas que juntas, constroem a imagem da empresa.

Uma peça muito importante para que a excelência seja mantida de ponta a ponta é o motorista. Ele é o responsável, por exemplo, por dirigir de forma econômica, e assim garantir o menor desgaste de itens mecânicos e menos gasto de combustível. Um condutor treinado e comprometido se assegura, ainda, de que as revisões do caminhão estão sendo feitas e procura cuidar do veículo como se fosse seu. Essa e outras atitudes de um motorista profissional vão influenciar diretamente nos resultados da transportadora, seja na otimização de recursos ou na demanda de clientes.

Ele da carga por longas distâncias, e levará o nome da transportadora a diversos lugares. Por isso, é importante certificar-se de contratar os melhores profissionais, que comprovem sua capacitação e experiência não só nas rodovias, mas também com os novos caminhões que trazem cada vez mais tecnologia embarcada.

Além disso, quando o motorista conhece a ética do trabalho, comportando-se de maneira cordial e educada, além de cumprir o serviço dentro do prazo e demonstrar produtividade, o cliente ficará mais satisfeito.

Para acompanhar o desempenho dos motoristas de sua frota, o ideal é realizar o monitoramento com rastreamento em tempo real, por exemplo. Estes sistemas ajudam a identificar a velocidade, as paradas e os possíveis desvios de rota que realiza cada um. Com estes resultados, fica mais fácil planejar palestras e treinamentos com a equipe em busca de minimizar gastos e otimizar a prestação de serviço destes profissionais. Motoristas bem instruídos conseguem planejar melhor as ações nas rodovias, evitando roubos, acidentes e infrações que afetam no bolso da transportadora.

Na Transportadora Monte Sereno, por exemplo, são oferecidos treinamentos e capacitações aos seus condutores. Um deles é Top Driver, que avalia e orienta a produtividade do motorista através de sua demonstração prática ao volante. Esta capacitação está voltada à direção econômica, defensiva e eficiente.

Também é realizado o curso Caminhão Escola e Caminhão Escola Avançado, da Fundação Adolpho Bósio de Educação no Transporte – FABET. Aí, com aulas teóricas e práticas, os motoristas são preparados para atender com maior qualificação todo o mercado de transporte rodoviário, seja para veículos pesados e semipesados, produtos perigosos, cargas indivisíveis, entre outros.

Aplique esse plano em sua transportadora. Há muitas opções de cursos e capacitações que podem ser oferecidos tanto aos novos motoristas quanto aos que já tem certa experiência. Manter os profissionais atualizados é sinal de responsabilidade e preocupação com seu bem-estar e o de todos nas rodovias. Compartilhe essa informação com seus colegas e seja um incentivador da educação na estrada!

10/10/2018

Sistema de Arrefecimento: Principais falhas e como evitá-las

O Sistema de Arrefecimento é o responsável por aquecer o motor rapidamente e mantê-lo em uma temperatura estável, distribuindo-a de maneira regular para o correto funcionamento do veículo. 

Seu interior é composto por vários materiais diferentes que possuem coeficientes de dilatação específico. Quando em funcionamento, as peças do motor se movimentam, gerando atrito. Isto, aliado à queima do combustível, gera quantidades enormes de calor, e a dilatação dos componentes resulta em folgas menores dentro do sistema. A redução das folgas reduz o consumo de combustível, aumenta a eficiência e diminui a emissão gases. Por isso, o controle da temperatura é imprescindível para o bom funcionamento do motor.

Porém, é um sistema frágil que pode apresentar muitas falhas ao longo da vida útil do caminhão. Desde variações de temperatura externa, mudanças de altitude e diferentes regimes de trabalho exigem eficiência específica do motor, que está projetado para dar o melhor resultado. Muitas dos cuidados dependem da atenção do motorista e das revisões preventivas em oficina, aliados ao uso de combustíveis e óleos de boa qualidade para não comprometer as peças do sistema. Confira abaixo quais são os problemas mais comuns: 

MOTOR SUPERAQUECIDO

- Falta de líquido de arrefecimento: podem haver vazamentos por corrosão, cavitação ou eletrólise;

- Bolhas de ar no sistema: podem ser causados por furos no radiador ou fruto de um serviço de oficina mal executado; 

- Obstruções: podem ser no radiador, bloco do motor, mangueiras, reservatório de expansão ou cabeçote. A causa vem dos depósitos de minerais quando a água usada para a mescla do líquido de arrefecimento é uma água comum, não desmineralizada. Outra origem pode ser a corrosão ou oxidação provocadas pela diluição incorreta ou uso de aditivo de má qualidade. 

- Defeito na bomba d’água: pode ser culpa da obstrução por minerais ou pelo travamento do rotor da bomba, causado pela corrosão de pequenos pedaços do radiador, cabeçote e bloco do motor que se desprendem e se aglomeram. 

- Mangueiras endurecidas e rachadas: resultado do uso de aditivos que não lubrificam corretamente os itens do motor. 

MOTOR PERDENDO POTÊNCIA 

- Junta do cabeçote queimada: acontece quando o sistema de arrefecimento não consegue dissipar o calor em excesso do bloco do motor, queimando as peças. 

AUMENTO NO CONSUMO DE COMBUSTÍVEL OU MARCHA LENTA OSCILANTE

- Sensor de temperatura sujo ou oxidado: a injeção eletrônica utiliza a temperatura atual do motor para regular o consumo de combustível. Quando o sistema está contaminado, o sensor envia informações erradas, e o módulo injeta mais combustível do que seria realmente necessário, ou causa oscilação na rotação do motor. 

VENTILADOR NÃO RESFRIA O MOTOR

- Radiador obstruído ou com vazamentos: líquido de arrefecimento mal diluído ou de má qualidade, que não protege o sistema corretamente. 

- Válvula Termostática travada: esta peça, responsável por liberar o calor e fazê-lo circular, também sofre com o depósito de minerais e falta de lubrificação. Quando se mantém fechada, o líquido de arrefecimento que está quente não consegue sair para o radiador e superaquece o bloco do motor.

PRESSÃO MUITO BAIXA OU MUITO ALTA

- Cabeçote trincado, empenado ou queimado: com o superaquecimento, o cabeçote pode ser danificado e prejudicar o funcionamento do sistema e diminuir a potência do motor.

Para evitar qualquer um destes problemas, é muito importante manter em dia as manutenções preventivas do motor. É neste momento que serão revisados os indícios de corrosão, oxidação, furos, desgastes e obstruções em qualquer peça do sistema de arrefecimento. O uso de produtos de boa qualidade e na proporção correta é o primeiro passo para a melhor conservação dos itens. 

Corrigindo a tempo, as panes no caminhão serão evitadas. Além disso, é de conhecimento de todos que a substituição de um motor danificado sai salgado para o bolso. 

Agende agora sua revisão na concessionária Carboni Iveco mais próxima. Cuide bem do seu bruto e aproveite toda a potência que ele pode te oferecer!

05/10/2018

BK Agropecuária e Transportes é Cliente de Potência Iveco

Empresa de Arroio Trinta/SC possui cinco Iveco em sua frota 


Em mais um capítulo da série Cliente de Potência da Carboni Iveco, o cliente e amigo Braiam Rossano, sócio-proprietário da BK Agropecuária e Transportes, conta sua história de parceria com a marca. 

Braiam conta que a empresa de Arroio Trinta/SC começou trabalhando no ramo de agropecuária, e logo se uniram ao ramo de transportes de suínos e ração. Atualmente, a BK possui cinco caminhões Iveco em sua frota. “Ninguém acredita, mas os Iveco estão fazendo de 3,20 a 3,26 km/L de média no final do mês. Para nós, é muito boa”, afirma Braiam. 

Ele também cita o conforto da cabine leito. “O motorista ficou admirado por que o caminhão Iveco tem uma cabine enorme. Ele vai viajar longe, a São Paulo, e cansa muito menos pelo conforto do caminhão. A opção de câmbio AutoShift também é perfeita. Se nota que pensaram muito bem no que fazer, já que a qualidade do bem-estar do motorista mudou totalmente”, afirma. 
Todos os caminhões Iveco que a BK Agropecuária e Transportes possui em sua frota foram adquiridos na concessionária Carboni. “A vantagem é que temos os caminhões, os pneus, o seguro da frota. Compramos também o pós-venda”, conta Braiam. Ele também é cliente do Consórcio Iveco, através do qual viajará à Europa em novembro. “Além de conseguirmos uma taxa muito baixa comparando a outras operadoras, o Consórcio Iveco é o que está nos ajudando. Conseguimos o caminhão rapidamente e ainda nos prestigiam com uma viagem para a Itália e Mônaco”, diz. E finaliza: “Estou com a Carboni e é por isso que hoje estamos evoluindo e comprando mais caminhões Iveco”. 

Siga os episódios da série Clientes de Potência Carboni Iveco, que mostra um pouco mais da história dos nossos clientes que possuem uma frota carregada de orgulho! Confira abaixo o vídeo da BK Agropecuária e Transportes:

04/10/2018

Cliente conta experiência com o Fiat Toro

Série da Carboni Fiat mostra clientes satisfeitos com veículos da marca
Desde seu lançamento, o Fiat Toro tem conquistado cada vez mais fãs. Um deles é nosso amigo Valêncio Souza, mecânico natural de Piratuba/SC. Em um capítulo da série feita pela Carboni Fiat, Valêncio conta um pouco de sua história e fala da experiência com o Fiat Toro que adquiriu na concessionária Carboni de Capinzal/SC, onde mora atualmente. 

Ele conta que seu primeiro carro foi comprado quando ele tinha 27 anos, quatro anos depois do seu casamento. “Foi muito gostoso. Recordo hoje com um prazer muito grande pela satisfação que tivemos de passar por esses momentos. Era aquilo que Deus nos tinha dado e tínhamos que aproveitar”, conta. 
Há 43 anos, Valêncio abriu uma oficina mecânica junto com um sócio, atividade que exerce até hoje. Foi graças à sua grande experiência com automóveis que ele decidiu comprar o Fiat Toro. “Eu estava em dúvida pois era lançamento, e a gente sempre fica preocupado. Como sou mecânico e entendo da coisa, vi que a Toro vinha estruturada. A partir deste momento, procurei a agência de Capinzal. Conversei com o gerente e falei que vi bons comentários da Toro. Acabamos negociando o carro e assim iniciamos essa caminhada”, explica. 
Valêncio se mostra satisfeito com o rendimento do seu novo veículo. “É um carro que nos oportunizou boa economia. Tenho feito acima de 15km/L com o Toro. Além disso, faz pouco barulho e traz segurança”, comenta. Sobre a negociação com a concessionária, elogia: “Tenho encontrado bom tratamento na Carboni de Capinzal, e acredito que as pessoas que os procurarem também vão encontrar”.

03/10/2018

4 passos simples para agilizar seu financiamento

Na hora de comprar um caminhão, a ajuda de um financiamento é fundamental para facilitar o investimento. Na Iveco, o banco CNH Industrial oferece várias ofertas especiais para os produtos da marca, como facilidades no CDC ou o acesso ao Finame. 

Porém, às vezes o processo de aprovação do pedido é mais demorado. Entre os motivos estão a falta de documentos do comprador ou a não comprovação de renda de acordo ao valor das parcelas a pagar. Para evitar que isso aconteça, siga estas dicas simples que vão agilizar a sua compra: 

1. Antes de procurar por um financiamento, consulte suas informações no Banco Central e no Serasa para saber se seu nome está registrado em dívidas bancárias. Se sim, regularize sua situação imediatamente, e só depois dê entrada ao seu pedido. 

2. Separe os documentos básicos que serão necessários, como o RG, CPF e documentos pessoais, além do Contrato Social e suas alterações, Certidões, Licenças, etc. 

3. Comprove sua renda com o maior número de documentos e referências que você tiver disponíveis. Podem ser históricos bancários, balanços patrimoniais, Imposto de Renda, planilhas com a relação de frota, o faturamento anual, possíveis endividamentos, entre outros. Tudo com data e assinatura. 

4. Revise todos os documentos antes do envio. Preencha corretamente e com a verdade todas as fichas cadastrais. As aprovações serão revisadas, com avaliação de crédito e análise do seu nome e da sua empresa. Por isso, deixe tudo transparente para que o processo seja mais rápido e certeiro. 

Estes são os passos básicos para facilitar o processo de análise e aprovação do seu pedido de financiamento. Qualquer dúvida sobre como realizar o pedido, consulte a Carboni Iveco mais próxima. Nossos consultores poderão te ajudar em todo o caminho até você ter seu novo Iveco nas mãos!

01/10/2018

9 dicas básicas para dirigir no dia de Chuva

Na maior parte do Brasil a chuva é uma companheira constante dos motoristas. Por isso, é fundamental ter atenção redobrada e usar recursos de direção defensiva para evitar surpresas em dias de tempo ruim. Listamos aqui algumas das atitudes básicas que você deveria tomar nesta situação:

1 – Diminua a velocidade e acenda o farol baixo, pois isso facilita aos demais veículos verem que tem alguém passando e permite que enxergue melhor as poças e obstáculos na pista.

2 – Mantenha uma distância segura do veículo que está na sua frente. Além de evitar colisões no caso de freadas bruscas, também ajuda para saber a presença e o tamanho de poças na estrada. A distância recomendada é de 10 metros ou mais, no caso de caminhões.

3 – Desembace os vidros. Use ar quente caso já estiver embaçado ao dar partida no veículo. Para evitar que volte a acontecer, ligue o desembaçador ou ventilador, e mantenha uma fresta da janela aberta para circulação de ar.

4 – Confira o estado dos freios e dos pneus antes de partir a viagem. É importante que os pneus tenham alta aderência com a pista, já que a água pode causar aquaplanagem.

5 – Utilize o limpador de para-brisas na velocidade correspondente ao volume de chuva.

6 – Evite passar por poças de água. É difícil saber a profundidade e os obstáculos que elas estão cobrindo. Se é possível, desvie. Se o caminho estiver muito alagado, veja a opção de tomar outra rota ou espere até saber que é seguro cruzar.

7 – Ande devagar para evitar freadas bruscas. As freadas podem ocasionar aquaplanagem, dificultando a parada, ou inclusive fazendo que o motorista perca o controle do veículo. A Rodoviário Monte Sereno tem como obrigatória a velocidade máxima de 60km/h para seus caminhões em dias de chuva.


8- Caso tenha que sair para fora do veículo, utilize sua capa de chuva que está disponível no kit de segurança.

9 – Na dúvida, sempre pare no acostamento quando a chuva estiver forte. Ligue o pisca-alerta e tenha certeza de que não está interrompendo o trânsito na pista. Mantenha a calma e espere que o temporal passe. Boa viagem!

26/09/2018

Revenda de caminhão: 6 dicas para valorizar seu bruto

O jeito mais inteligente de investir em um novo caminhão é planejando o futuro, tendo em conta o plano de renovação de frota a longo prazo, certo? Por isso, é importante saber o valor médio de revenda do veículo 0km que você está comprando. 

A partir do momento que o caminhão é retirado da concessionária, já começa a sofrer desvalorização, passando de novo para usado. Com o passar do tempo, o desgaste natural das peças será outro fator que influenciará no valor de revenda do veículo. Por isso, o cuidado do proprietário durante toda a vida útil da sua frota é muito importante. 

Confira algumas dicas para manter o valor do seu bruto e a revenda seja mais vantajosa tanto para você como para o comprador. Vamos lá: 

1. Manutenção Periódica

Obedecer ao calendário de manutenção proposto pela concessionária na hora da compra do seu caminhão é muito importante para mantê-lo em boa forma. Levá-lo para a oficina apenas quando apresenta alguma falha ou defeito não é a melhor opção, já que vai sair mais caro arrumar um problema que antecipar para que não aconteça. Pequenos detalhes como a troca de óleo no tempo certo, a revisão de pneus e limpeza de filtros são fundamentais para a preservação do veículo. Além disso, é importante manter os cuidados do seu bruto nas mãos da concessionária oficial, pois os mecânicos são especialistas em peças e tecnologias aplicadas nos caminhões da marca. 

2. Peças Originais 

Usar apenas peças originais é outra atitude chave para manter o valor do seu caminhão. Instalar peças de segunda-mão pode sair caro, falhando mais rapidamente, danificando outros componentes e comprometendo o perfeito funcionamento do veículo. Isso desvalorizará muito o veículo na hora da revenda. 

3. Limpeza 

Manter o caminhão sempre limpo também é sinal de cuidado permanente. Tanto interna como externa, a limpeza frequente ajudará a manter preservados os itens do veículo, como o carpete, os bancos e a pintura. Além disso, conservá-lo higienizado certamente será um atrativo aos olhos de possíveis compradores. 

4. Direção eficiente 

O modo como o motorista dirige pode contribuir para a valorização do veículo. Isso por que as técnicas de boa direção interferem diretamente no estado de conservação das peças do caminhão, como os freios, pneus, motor, entre outros. Más costumes como descansar o pé na embreagem, fazer arrancadas e paradas bruscas, transportar excesso de carga ou rodar com o tanque na reserva são apenas alguns exemplos de atitudes que só causam mais danos ao veículo. Tudo isso ficará visível na hora de vende-lo. 

O uso extremo do caminhão também acelera o desgaste. Enfrentar áreas alagadas, trechos de subidas íngremes com frequência ou vias não-pavimentadas em péssimo estado de conservação são alguns dos exemplos. 

5. Bons combustíveis

Encontrar postos de combustíveis de confiança, que ofereçam diesel de boa qualidade, é fundamental para o planejamento da viagem. O uso de diesel adulterado pode acabar causando danos ao motor e outras peças do caminhão e, claro, desvalorizando-o no mercado. 

6. Carregamento cuidadoso

O carregamento e descarregamento são feitos, quase sempre, de maneira apressada e sem cuidado. Porém, é importante lembrar que a distribuição da carga de maneira uniforme é um detalhe que conta muito para a integridade tanto dos produtos como do caminhão. A amarração também deve ser feita corretamente, evitando que a carga se movimente durante a viagem e dando mais estabilidade ao veículo. Transportar peso excessivo também é um erro que ainda se vê muito nas estradas e que causa danos na estrutura do caminhão. 

A depreciação é inevitável e começa desde a primeira viagem. Porém, com o cuidado correto é possível minimizá-la e assim facilitar a revenda do caminhão. Colocando em prática essas dicas simples todos os dias fará toda a diferença para manter um bom valor no seu usado. Valorize o seu bruto!